Zelenskiy da Ucrânia visita a Polônia enquanto os Aliados intensificam a ajuda militar

  • Diz-se que uma luta feroz ocorreu em torno de Bagmuth
  • Zelenskiy pressiona Polônia, Macron China
  • Washington promete mais bilhões enquanto Ucrânia se prepara para ataque

KYIV, 5 Abr (Reuters) – O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, visitou a Polônia nesta quarta-feira, impulsionado por um recente anúncio de ajuda militar dos Estados Unidos enquanto as tropas russas avançam em uma longa e custosa batalha para capturar a cidade de Pakmut, no leste do país.

Zelenskiy planeja agradecer a seus aliados poloneses, que forneceram ao seu governo armas vitais e acolheram milhões de refugiados ucranianos desde a invasão da Rússia.

Enquanto isso, o presidente francês Emmanuel Macron visitou a China, agora em seu segundo ano, depois que ele e o presidente dos EUA, Joe Biden, concordaram em envolver Pequim para acelerar a ofensiva russa na Ucrânia.

Pequim pediu um cessar-fogo abrangente e descreveu sua posição sobre o conflito como “neutra”.

Os Estados Unidos prometeram na terça-feira US$ 2,6 bilhões em ajuda militar ao governo de Zelensky, incluindo três radares de vigilância de aeronaves, foguetes antitanque e caminhões de combustível.

A agência de notícias russa TASS informou que a embaixada de Moscou em Washington acusou os Estados Unidos de querer prolongar o conflito o máximo possível.

O Ocidente aumentou a ajuda enquanto as forças ucranianas se preparam para lançar uma contra-ofensiva contra as forças russas no leste, embora não tenha sido anunciado quando exatamente isso começará.

A Espanha diz que seis tanques Leopard 2A4 que prometeu enviar para a Ucrânia deixarão o país na segunda quinzena de abril, antes do planejado inicialmente. A Espanha treinou 40 tripulantes de tanques e 15 mecânicos em uma base militar na cidade de Zaragoza, no nordeste do país.

READ  Controvérsia Pistons vs. Magic: Gillian Hayes, Mo Wagner e nove jogadores suspensos

Outros países da OTAN, incluindo Alemanha, Polônia e Portugal, prometeram enviar um total de 48 tanques Leopard 2 para a Ucrânia.

O foco do campo de batalha estava em Pakmut, uma cidade mineira e centro de transporte na periferia de uma parte da província de Donetsk sob controle principalmente russo. Ambos os lados sofreram pesadas baixas e grande parte da cidade foi reduzida a escombros após meses de combates e bombardeios nas ruas.

Perto da cidade de Nova York, 50 km (30 milhas) ao sul de Bagmut, soldados ucranianos descreveram repelir ataques russos diariamente em trincheiras lamacentas.

“Eles entram, atiram e cansam-nos. Depois podem avaliar a situação e avançar um pouco mais”, disse à Reuters o comandante da divisão de infantaria, “Bodia”.

“Enquanto isso, estamos tentando deixá-los se aproximar de nós para que possamos acertá-los com mais precisão.”

Comandantes militares ucranianos enfatizaram a importância de manter Bagmut e outras cidades antes de um contra-ataque esperado.

O Estado-Maior ucraniano disse em um comunicado: “Não houve trégua nas operações inimigas destinadas a atacar a cidade de Pakmut. Pelo menos 20 ataques inimigos foram repelidos apenas aqui nas últimas 24 horas.”

Mercenários do Grupo Wagner – que liderou o ataque a Pakmut – alegaram ter capturado o centro da cidade no fim de semana, uma afirmação negada por Kiev.

O Instituto de Pesquisa de Combate, com sede nos Estados Unidos, disse que os caças Wagner avançaram em Bagmut e podem continuar avançando para o oeste através de densas áreas urbanas para consolidar o controle do centro da cidade.

A Reuters não pôde verificar os relatórios do campo de batalha.

Mais suporte

Em Varsóvia, Zelenskiy deveria se encontrar com o presidente Andrzej Duda e o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki e falar com refugiados ucranianos.

READ  Mais calor queimará o Arizona e Nevada antes de se mover para o leste no final da semana

O líder ucraniano cruzou a fronteira para a Polônia – que desempenhou um papel fundamental no fornecimento de tanques e outras armas a outras potências ocidentais para a Ucrânia – na manhã de quarta-feira.

“Não surpreenderá ninguém que o lado ucraniano peça apoio adicional da Polônia e de outros parceiros estrangeiros. Mas nós, como poloneses, devemos saber que já fizemos muito”, disse Marcin Przydaks, assistente do presidente polonês.

Prasidaks disse anteriormente que o primeiro carregamento de caças MiG já havia sido entregue à Ucrânia.

“As aeronaves MiG da Polônia fortalecerão significativamente nossa defesa, tornarão nossos céus mais seguros, salvarão as vidas de nossos cidadãos e reduzirão a destruição causada por ataques russos”, escreveu o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, em um telegrama.

Em uma nota mais irônica, o ministro da Agricultura polonês, Henryk Kowalczyk, renunciou na quarta-feira em meio à crescente raiva entre os agricultores sobre o impacto das importações de grãos ucranianos nos preços domésticos. Kowalczyk disse que decidiu sair depois que a Comissão Europeia decidiu estender as importações isentas de impostos para grãos ucranianos até junho de 2024.

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, manterá dois dias de conversações com Putin em Moscou a partir de quarta-feira, informou o Kremlin.

Belarus é um dos aliados mais fortes de Putin e foi usado como plataforma de lançamento para uma invasão russa em fevereiro do ano passado. Putin disse no mês passado que a Rússia iria implantar armas nucleares táticas na Bielo-Rússia.

O presidente francês Macron, que visitou Pequim, disse que a China pode desempenhar um papel na resolução da guerra na Ucrânia por causa dos laços estreitos de Pequim com a Rússia.

READ  Tripulação desaparecida do Titanic morta após 'explosão catastrófica': atualizações ao vivo

Ele e a chefe da União Europeia, Ursula van der Leyen, estão tentando “reiniciar” os laços com um importante parceiro econômico enquanto lidam com questões espinhosas como a Ucrânia e os riscos comerciais.

Declaração de Pavel Polityuk; Reportagem adicional de Ron Popsky e Mike Stone; Escrito por Angus MacSwan, editado por Philippa Fletcher

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *