Ucrânia quer estender acordo de passagem segura além de grãos

  • Três navios de grãos deixam portos ucranianos
  • O primeiro navio a chegar à Ucrânia após o início da guerra
  • Zelensky chama conflito oriental de ‘inferno’
  • O chefe da Otan alertou que Putin não deve ser autorizado a vencer

ISTAMBUL/KYIV, 5 Ago (Reuters) – Três navios de grãos deixaram portos ucranianos nesta sexta-feira sob um acordo de passagem segura, já que o primeiro navio de carga deveria ser carregado na Ucrânia após a invasão da Rússia. estendido a outros materiais, como metais.

O acordo de 22 de julho foi um raro avanço diplomático em meio à guerra no leste da Ucrânia, com Kiev tentando reconstruir sua economia destruída após mais de cinco meses de conflito.

“Esperamos que as garantias de segurança da ONU e de nossos parceiros na Turquia continuem funcionando, e as exportações de alimentos de nossos portos se tornem estáveis ​​e previsíveis para todos os participantes do mercado”, disse o ministro da Infraestrutura ucraniano, Oleksandr Kubrakov, no Facebook após a partida dos navios. .

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

O primeiro navio de grãos deixou Odessa na segunda-feira.

“Este acordo é sobre logística, sobre o movimento de navios pelo Mar Negro”, disse o vice-ministro da Economia ucraniano, Taras Kachka, ao Financial Times. “Qual é a diferença entre grãos e minério de ferro?”

As Nações Unidas e a Turquia negociaram um acordo de passagem segura entre Moscou e Kiev depois que as Nações Unidas alertaram que a interrupção das exportações de grãos da Ucrânia poderia levar à fome.

O presidente russo, Vladimir Putin, enviou tropas para a Ucrânia em 24 de fevereiro, provocando o maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e desencadeando uma crise global de energia e alimentos. A Ucrânia e a Rússia tradicionalmente produzem um terço do trigo do mundo e a Rússia é o principal fornecedor de energia da Europa.

READ  SpaceX bate recorde ao lançar foguete Falcon 9

Na sexta-feira, dois navios de grãos partiram de Chornomorsk e um de Odessa com um total de cerca de 58.000 toneladas de milho.

O Navistar com bandeira panamenha partiu de Odessa carregando 33.000 toneladas de milho com destino à Irlanda, disse o Ministério da Defesa turco no Twitter. O Rogen, de bandeira maltesa, partiu de Gornomorsk para a Grã-Bretanha, transportando 13.000 toneladas de milho.

Além disso, o navio de bandeira turca Polarnet, carregando 12.000 toneladas de milho, partiu de Chornomorsk para o porto turco de Karas, no Mar Negro.

O navio graneleiro turco Osprey S, com bandeira da Libéria, chegará a Chornomorsk na sexta-feira para carregar grãos, informou a administração regional de Odesa.

Alguns líderes ocidentais acusaram a Rússia de usar um impasse sobre o fornecimento de gás para a Europa, que depende muito do fornecimento de gás, à medida que o inverno se aproxima em retaliação às sanções ocidentais.

A disputa sobre a devolução da turbina, que a Rússia diz estar bloqueando o fornecimento de gás, não mostra sinais de resolução. consulte Mais informação

parte do meio

Após cinco meses de combates, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky descreveu esta semana a pressão sobre suas forças armadas na região leste de Donbass como um “inferno”.

Moscou busca controlar o Donbass, de língua russa, que inclui as províncias de Luhansk e Donetsk, onde separatistas pró-Moscou tomaram o território depois que o Kremlin anexou o sul da Crimeia em 2014.

READ  Calor versus. 76S Score: Atualizações ao vivo dos playoffs da NBA pretendem ter uma vantagem de 3-0 contra a anfitriã Filadélfia, Miami

Zelenskiy falou de intensos combates em torno da cidade de Avdiyvka e da vila fortificada de Pisky, onde a Ucrânia reconheceu uma “vitória parcial” sobre seu adversário russo nos últimos dias.

Os militares ucranianos disseram na quinta-feira que as forças russas lançaram pelo menos dois ataques a Pisky, mas foram repelidas.

A Ucrânia passou os últimos oito anos fortalecendo suas defesas em Bisky, vendo a cidade de Donetsk, cerca de 10 km a sudeste, como uma zona tampão contra as forças apoiadas pela Rússia.

O general ucraniano Oleksiy Khromov disse que suas forças retomaram dois vilarejos ao redor da cidade oriental de Sloviansk, mas foram empurrados de volta para a cidade de Avdiyvka depois de serem forçados a abandonar uma mina de carvão vista como uma posição defensiva importante.

O Ministério da Defesa russo confirmou o ataque.

A Reuters não pôde verificar imediatamente as alegações de nenhum dos lados.

A guerra deslocou milhões de pessoas, matou milhares de civis e deixou cidades, vilas e aldeias em ruínas. A Ucrânia e seus aliados ocidentais acusaram as forças russas de atacar civis e cometer crimes de guerra, alegações que a Rússia nega.

Putin disse que lançou o que chamou de “operação militar especial” na Ucrânia para garantir a segurança russa e proteger os falantes de russo na Ucrânia. Kiev acusou Moscou de travar uma guerra de agressão ao estilo imperialista para recuperar seu vizinho, que abalou a hegemonia russa quando a União Soviética se separou em 1991.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse na quinta-feira que a guerra é o momento mais perigoso para a Europa desde a Segunda Guerra Mundial e que a Rússia não deve ganhar. consulte Mais informação

Relatório do Reuters Bureau; Escrito por Michael Perry e Nick MacPhee; Edição por Stephen Coates, Robert Birzel e Mark Heinrich

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.