Os Estados Unidos acreditam que a retirada da Rússia perto de Kiev é uma “relocação”, não uma “retirada”

O Ministério da Defesa da Rússia disse na terça-feira que reduziria drasticamente as operações militares perto da capital ucraniana, Kiev, e da cidade de Chernihiv, no norte, “aumentando a confiança mútua” em um possível acordo de paz com a Ucrânia – o progresso em ambas as cidades já parou.

Recente: Autoridades americanas e britânicas estavam céticas em relação às alegações. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que os Estados Unidos viram um “pequeno número” de tropas russas se retirar de Kiev, mas disse que era “muito cedo” para dizer se a retirada seria significativa. As unidades russas estão sendo reestruturadas e restauradas devido a enormes perdas na Rússia e na Bielorrússia. Atualização de inteligência Quarta-feira.

Foto: Ministério da Defesa do Reino Unido/ Twitter

O que eles disseram: “Acreditamos que esta é uma realocação, não uma retirada real, e todos devemos estar preparados para ver uma grande ofensiva contra outras partes da Ucrânia”, disse Kirby, apontando particularmente para o aumento da atividade russa na região leste de Donbass.

  • “A Rússia falhou em capturar Kiev. Não conseguiu subjugar a Ucrânia, mas ainda pode infligir brutalidade massiva ao país”, acrescentou.

Por que isso importa: O anúncio da Rússia veio após várias horas de negociações de paz em Istambul, que negociadores russos e ucranianos classificaram como construtivas.

Estado de jogo: Oficial Sênior de Defesa dos EUA Disse a repórteres Na segunda-feira, a Rússia não fez nenhum progresso em seus ataques a Kiev e Chernihiv, e estabeleceu “posições defensivas” em algumas áreas enquanto as forças ucranianas lançavam contra-ataques.

  • As principais autoridades militares da Rússia disseram na semana passada que a operação de Moscou estava entrando em uma “nova fase” de “libertação” da região de Danbass, no leste da Ucrânia, onde separatistas apoiados pela Rússia vêm travando uma insurgência de baixo nível há oito anos.
  • Alguns especialistas militares alertam que a Rússia poderia usar o cessar-fogo como uma oportunidade para repatriar suas tropas e que poderia reestruturar sua estratégia depois de não conseguir alcançar muitos de seus objetivos militares no primeiro mês de guerra.
READ  USFL Week 1 Marks, Takeaways: Gamblers, Breakers vencem os jogos de domingo; Bandidos-Mowlers adiados

Imagem grande: O ministro das Relações Exteriores da Turquia, que ajudou a mediar as negociações, disse na terça-feira que o progresso mais significativo foi feito até agora.

  • Durante uma entrevista coletiva na tarde de terça-feira, o presidente Biden falou sobre o desenvolvimento: “Eu não li nada até ver quais eram suas ações. Vamos ver se eles seguem o que recomendam”.
  • “Enquanto isso, continuaremos a ter fortes obstáculos”, disse Biden. “Continuaremos a fornecer aos militares ucranianos a capacidade de se defenderem. E continuaremos a monitorar o que está acontecendo.”
  • Enquanto isso, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que um cessar-fogo não seria suficiente para suspender as sanções à Rússia. De acordo com a BBC. Esse pode ser um grande ponto de discórdia para o Kremlin.

O que procurar: A delegação da Ucrânia não avançou no cessar-fogo em Istambul ou nos conflitos regionais na Crimeia e no Donbass, mas propôs um futuro acordo de segurança, que agora será analisado pelo Kremlin.

  • O principal negociador da Ucrânia disse que os dois lados se reunirão novamente nas próximas duas semanas.
  • Os principais negociadores da Rússia disseram que estão prontos para acelerar as negociações entre o presidente russo Vladimir Putin e o presidente ucraniano Volodymyr Zhelensky.
  • Zelensky vem pedindo essa reunião há várias semanas, mas Putin ainda não concordou, nem endossou publicamente nenhum plano de paz.

Observação: O lado ucraniano afirmou que suas garantias de segurança propostas seriam baseadas na regra de defesa mútua da OTAN se a Ucrânia fosse atacada novamente.

  • Países como Estados Unidos, Canadá, China, França, Alemanha, Israel, Turquia e Reino Unido iniciarão consultas diplomáticas imediatas e, em caso de falha, tomarão medidas como fornecimento de armas e manutenção de uma zona de exclusão aérea.
  • Mykhailo Podolyak, principal negociador da Ucrânia, disse que a Ucrânia já recebeu “respostas positivas” de alguns países.
READ  Coreia do Sul diz que Coreia do Norte testou ICBM e dois mísseis

Entre as linhas: Países, incluindo os Estados Unidos, serão cautelosos com a intervenção militar para proteger a Ucrânia.

Nota do editor: Esta história e o título foram atualizados com comentários adicionais das autoridades dos EUA e do Reino Unido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.