Eleições na UE: Extrema direita vence acordo com a UE, derrotas chocantes para Macron da França e Scholes da Alemanha

BRUXELAS (AP) – A votação para escolher os legisladores regionais da União Europeia para o próximo mandato de cinco anos terminou após o último referendo restante na Itália, quando os ressurgentes partidos de extrema direita desferiram golpes físicos em dois dos líderes mais importantes do bloco: o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz.

Os resultados oficiais são esperados a qualquer momento após o encerramento das assembleias de voto italianas, às 23h00 locais (21h00 GMT), encerrando oficialmente uma maratona eleitoral de quatro dias nos 27 Estados-membros constituintes.

Mais de 50 países irão às urnas em 2024

Uma previsão preliminar da União Europeia mostrou que os partidos de extrema direita obtiveram grandes ganhos no Parlamento Europeu.

Na França, o partido Rally Nacional de Marine Le Pen dominou as pesquisas Um enorme risco político que poderá atrasar o resto do seu mandato presidencial, que termina em 2027, uma vez que Macron dissolve imediatamente o parlamento nacional e apela a novas eleições, enquanto o seu partido sofre pesadas perdas.

Os líderes federais da AfD, Alice Weidel, ao centro, e Tino Chrupalla comemoram na sede do partido AfD durante uma prévia das eleições europeias em Berlim, no domingo, 9 de junho de 2024. (AP via Joerg Carstensen/dpa)

Le Pen ficou feliz em aceitar o desafio. “Estamos prontos para dar a volta ao país, prontos para defender os interesses dos franceses, prontos para pôr fim à imigração em massa”, disse ele, ecoando os gritos de muitos líderes de extrema-direita comemorativos noutros países. Sucessos substanciais.

Macron admitiu a derrota. “Ouvi a sua mensagem, as suas preocupações, e não as deixarei sem resposta”, disse ele, acrescentando que o apelo a eleições antecipadas apenas ressaltou as suas credenciais democráticas.

READ  Powerball: Um bilhete premiado foi vendido na Califórnia por um jackpot de US $ 2,04 bilhões

A Alemanha, o país mais populoso do bloco de 27 membros, As previsões são indicadas Subindo de 11% para 16,5% em 2019, a AfD superou uma série de escândalos envolvendo o seu principal candidato. Em comparação, o resultado combinado dos três partidos da coligação governamental alemã mal atingiu os 30%.

Scholz sofreu um destino tão ignominioso que o seu antigo Partido Social Democrata ficou atrás da Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita, que subiu para o segundo lugar. “Depois de todas as profecias de destruição, depois da enxurrada de ataques das últimas semanas, somos a segunda força mais forte”, disse a líder da AfD, Alice Weidel.

O referendo de quatro dias em 27 países da UE é o segundo maior exercício de democracia do mundo, depois das recentes eleições na Índia. No final, a ascensão da extrema direita foi mais dramática do que muitos analistas previram.

O Rally Nacional Francês está projectado em 15%, com 30%, ou o dobro do Partido da Renovação centrista pró-europeu de Macron.

O favorito da extrema direita francesa no Rally Nacional, Jordan Bartella, faz um discurso na sede da noite eleitoral do partido em Paris, domingo, 9 de junho de 2024.  Os primeiros resultados das previsões da França colocam o partido de extrema-direita Reunião Nacional na liderança nas eleições da UE, de acordo com empresas de sondagens francesas.  (Foto AP/Louis Jolly)

O favorito da extrema direita francesa no Rally Nacional, Jordan Bartella, faz um discurso na sede da noite eleitoral do partido em Paris, domingo, 9 de junho de 2024. Os primeiros resultados das previsões da França colocam o partido de extrema-direita Reunião Nacional na liderança nas eleições da UE, de acordo com empresas de sondagens francesas. (Foto AP/Louis Jolly)

Em toda a UE, dois grupos dominantes e pró-europeus, os Democratas-Cristãos e os Socialistas, eram as forças dominantes. Os ganhos da extrema direita ocorreram às custas dos Verdes, que deveriam perder cerca de 20 assentos e cair para o sexto lugar na legislatura. O grupo Renovação pró-negócios de Macron também perdeu muito.

READ  Sam Askari se recusa a ter cachorros durante o divórcio de Britney Spears

Durante décadas, a União Europeia, com as suas raízes na derrota da Alemanha nazi e da Itália fascista, confinou a extrema-direita às margens políticas. Com o seu forte desempenho nestas eleições, a extrema direita pode agora desempenhar um papel fundamental em políticas que vão da migração à segurança e ao clima.

A tendência foi alimentada pelo antigo presidente da UE e actual primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, que derrubou o partido nacional conservador Lei e Justiça que governou a Polónia entre 2015 e 2023 e o moveu ainda mais para a direita. Numa sondagem, o partido de Tusk obteve 38%, em comparação com 34% do seu rival.

“Entre estes países grandes e ambiciosos, de líderes da UE, a Polónia mostra que a democracia, a justiça e a Europa estão a vencer aqui”, disse Tusk aos seus apoiantes. “Estou tão emocionado.”

Ele declarou: “Mostramos que somos o farol de esperança para a Europa”.

A Alemanha, tradicionalmente um bastião dos ambientalistas, destacou o declínio dos Verdes, que se previa que caísse de 20% para 12%. Com a expectativa de mais perdas em França e noutros países, uma derrota dos Verdes poderá ter ramificações para a UE como um todo. Políticas sobre mudanças climáticasNo entanto, o resto do mundo é muito progressista.

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, dos Democratas-Cristãos de centro-direita, já enfraqueceu as suas credenciais verdes Antes do referendo, dominou a Alemanha com quase 30%, derrotando facilmente os social-democratas de Scholz, que ficaram atrás da AfD com 14%.

“Vocês já estabeleceram uma tendência – uma força forte, estável, em tempos difíceis e distantes”, disse van der Leyen aos seus apoiantes alemães através de videoconferência a partir de Bruxelas.

Tal como em França, esperava-se que a extrema-direita, que centrou a sua campanha na migração e na criminalidade, obtivesse ganhos significativos em Itália, onde a Primeira-Ministra Giorgia Meloni procurou consolidar o seu poder.

A votação em Itália continuou até à noite e muitos dos 27 Estados-membros ainda não tinham divulgado as previsões. No entanto, os dados já divulgados confirmaram previsões anteriores: as eleições deslocariam o bloco para a direita e inverteriam o seu futuro. Isto pode dificultar a aprovação de legislação pela UE e, por vezes, paralisar a tomada de decisões no maior bloco comercial do mundo.

Os legisladores da UE, que cumprem mandatos de cinco anos no parlamento com 720 lugares, têm uma palavra a dizer sobre questões que vão desde regras financeiras até à política climática e agrícola. Aprovam o orçamento da UE, que inclui projectos de infra-estruturas, subsídios agrícolas e Ajuda foi dada à Ucrânia. Eles têm direito de veto às nomeações para a poderosa Comissão da UE.

As eleições ocorrem numa altura em que a confiança dos eleitores será testada num círculo eleitoral de cerca de 450 milhões de pessoas. Nos últimos cinco anos, a União Europeia Abalado pela infecção pelo vírus coronaA Colapso econômico E um Crise de energia Foi alimentado pelo maior conflito terrestre na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Mas as campanhas políticas centram-se frequentemente em questões de interesse de cada país e não em interesses europeus mais amplos.

Após as últimas eleições na UE em 2019, os partidos populistas ou de extrema-direita lideram agora governos em três países – Hungria, Eslováquia e Itália – e fazem parte de coligações governativas noutros países, incluindo a Suécia, a Finlândia e, em breve, os Países Baixos. As pesquisas favorecem os populistas França, Bélgica, Áustria e Itália.

“A direita é boa”, disse aos jornalistas o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, que lidera um governo nacionalista e anti-imigração de linha dura, após a sua votação. “É sempre melhor dar certo. Vire a direita!”

———

Os repórteres da Associated Press Sylvain Blassy em Bruxelas e Kier Molson em Berlim contribuíram para este relatório.

———

Confira a cobertura da AP sobre as eleições globais de 2024 Aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *