A escassez de dinheiro em Cuba leva a longas filas e aumenta a frustração

HAVANA (AP) – Alejandro Fonseca ficou horas na fila em frente a um banco em Havana na esperança de sacar pesos cubanos em um caixa eletrônico, mas quando estava quase sua vez, o dinheiro acabou.

Com raiva, ele subiu em seu triciclo elétrico e viajou vários quilômetros até outra agência, onde conseguiu sacar algum dinheiro depois de desperdiçar a manhã inteira.

“Não deveria ser muito difícil ganhar o dinheiro suado”, disse Fonseca, 23 anos, à Associated Press numa entrevista recente.

Fonseca é um dos muitos cubanos frustrados Um sistema monetário já complicado – Falta de dinheiro.

Longas filas à porta dos bancos e caixas multibanco na capital, Havana, e noutros locais, começam a formar-se no início do dia, à medida que as pessoas procuram dinheiro para transações de rotina, como comprar alimentos e outros bens essenciais.

Especialistas dizem que há várias razões por trás da escassez, todas relacionadas com a profunda crise económica de Cuba. Um dos piores em décadas.

O economista e professor universitário cubano Omar Everleny Pérez afirma que o crescente défice fiscal do governo e a falta de notas no valor de 1.000 pesos cubanos (cerca de 3 dólares no mercado paralelo) são os principais culpados. Dinheiro para bancos.

“Há dinheiro, sim, mas não nos bancos”, disse Perez, acrescentando que a maior parte do dinheiro não é recolhida por trabalhadores assalariados, mas por empresários e proprietários de pequenas e médias empresas. Dinheiro proveniente de transações comerciais, mas relutante em devolver dinheiro aos bancos.

Perez diz que isso ocorre porque eles não confiam nos bancos locais ou porque precisam de pesos cubanos para converter em moeda estrangeira.

READ  Onda de calor extremo continua no Texas, expandindo-se pelo sul da América Central

A maioria deles Empreendedores e proprietários de pequenos negócios Tudo o que vendem ou pagam em moeda estrangeira deve ser importado em Cuba. Como resultado, muitos acumulam pesos cubanos para depois converterem em moeda estrangeira no mercado informal.

A conversão desses pesos cubanos para outras moedas é outro desafio, uma vez que a ilha tem taxas de câmbio múltiplas e altamente voláteis.

Por exemplo, a taxa oficial utilizada pelas indústrias e agências governamentais é de 24 pesos por dólar americano e de 120 pesos por dólar para pessoas físicas. No entanto, o dólar pode valer até 350 pesos cubanos no mercado informal.

Perez observa que em 2018, 50% do dinheiro em circulação estava nas mãos dos cubanos e a outra metade nos bancos da ilha caribenha. Mas em 2022, o último ano para o qual existem dados disponíveis, 70% do dinheiro estava nas carteiras dos indivíduos.

As autoridades monetárias cubanas não responderam imediatamente a um pedido de comentários da AP por e-mail.

A escassez de dinheiro ocorre num momento em que os cubanos enfrentam um sistema monetário complexo no qual circulam múltiplas moedas, incluindo a MLC, uma moeda virtual criada em 2019.

Depois, em 2023, o governo anunciou uma série de medidas destinadas a promover uma “sociedade sem dinheiro” – tornando obrigatória a utilização de cartões de crédito para determinadas transações, incluindo a compra de alimentos, combustível e outros bens básicos – mas muitas empresas recusam-se a aceitá-los. .

Para piorar a situação está a inflação teimosamente alta, o que significa que são necessárias mais contas físicas para comprar coisas.

Segundo dados oficiais, a inflação foi de 77% em 2021 e depois caiu para 31% em 2023. Mas para o cubano médio, as estatísticas oficiais raramente reflectem a realidade das suas vidas, uma vez que a inflação do mercado e a inflação informal podem atingir os três dígitos. mercado. Por exemplo, uma caixa de ovos vendida por 300 pesos cubanos em 2019 é vendida hoje em dia por cerca de 3.100 pesos.

READ  O comovente Oscar do ator de 'Koda' Troy Kotzur leva os espectadores a seus pés com aplausos silenciosos

Os salários mensais dos funcionários públicos cubanos variam de 5.000 a 7.000 pesos cubanos (entre US$ 14 e US$ 20 no mercado paralelo).

“Viver numa economia com múltiplas moedas, múltiplas taxas de câmbio e uma inflação de três dígitos é muito complicado”, disse Pavel Vidal, especialista em Cuba e professor da Universidade de Javeriana, na Colômbia.

___

Andrea Rodriguez em X: www.twitter.com/ARodriguezAP

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a América Latina e o Caribe em https://apnews.com/hub/latin-america

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *