Venezuelanos votam para decidir futuro do território disputado com a Guiana

CARACAS, Venezuela (AP) – Os venezuelanos vão votar no domingo num referendo para decidir o futuro da vizinha Guiana, uma região que o seu governo afirma ter sido roubada quando a fronteira norte-sul foi traçada há um século. .

A Guiana vê o referendo como um passo em direcção à integração e o referendo deixa os seus residentes nervosos. Pergunta aos venezuelanos se apoiam o estabelecimento de um governo no disputado território de Essequibo, concedendo cidadania aos actuais e futuros residentes da região e rejeitando a jurisdição do Supremo Tribunal das Nações Unidas para resolver a disputa entre os dois países sul-americanos.

O Tribunal Internacional de Justiça ordenou na sexta-feira que a Venezuela não tomasse qualquer medida que pudesse alterar o controlo da Guiana sobre o Essequibo, mas os juízes não proibiram especificamente as autoridades de realizarem um referendo de cinco questões no domingo. A Guiana pediu ao tribunal que ordenasse à Venezuela que suspendesse partes do referendo.

As implicações jurídicas e práticas do referendo não são claras. Mas em comentários explicando a decisão na sexta-feira, a presidente do Tribunal Internacional de Justiça, Joan E. Donoghue relata que o governo da Venezuela está “tomando medidas com vista a obter controle e administração sobre o território disputado”.

“Além disso, oficiais militares venezuelanos anunciaram que a Venezuela está tomando medidas concretas para construir uma pista de pouso que servirá como ‘ponto de apoio logístico para o desenvolvimento integrado de Essequibo'”, disse ele.

O território de 159.500 quilômetros quadrados (61.600 milhas quadradas) cobre dois terços da Guiana e faz fronteira com o Brasil, cujo Ministério da Defesa disse em comunicado no início desta semana que “intensificou suas medidas de segurança” e aumentou sua presença militar no país. região como resultado da disputa.

READ  Na segunda-feira, 11 de dezembro, Israel intensificou a busca por Yahya Shinwar depois que o Hamas ameaçou matar os reféns restantes.

Essequibo é maior que a Grécia e rico em minerais. Dá acesso à região do Atlântico, onde foi descoberto petróleo em escala comercial em 2015, chamando a atenção do governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro.

O governo da Venezuela promoveu a votação durante semanas, enquadrando a participação como um ato de patriotismo e frequentemente distorcendo-a a favor de Maduro. O seu governo realizou um referendo simulado no mês passado, mas não divulgou números de participação ou resultados.

Uma mulher segura a placa de um mapa da Venezuela com o território incluído de Essequibo durante a campanha final do referendo da Venezuela sobre o território disputado com a Guiana em Caracas, Venezuela, sexta-feira, 1º de dezembro de 2023. Os venezuelanos tentarão decidir o futuro do território de Essequibo, uma grande extensão de território administrado e controlado pela Guiana, mas reivindicado pela Venezuela, que o governo venezuelano apresentou na sua última tentativa de reivindicá-lo através de um referendo, dizendo que foi roubado quando mais do que a fronteira norte-sul foi traçada. Há um século. (Foto AP/Mathias Delacroix)

A Venezuela sempre considerou Essex como seu, uma vez que a região fazia parte do seu território durante a época colonial espanhola, e há muito que disputa a fronteira determinada pela arbitragem internacional em 1899, quando a Guiana ainda era uma colónia britânica.

A fronteira foi decidida por árbitros da Grã-Bretanha, Rússia e Estados Unidos. Os Estados Unidos representaram a Venezuela porque o governo venezuelano cortou relações diplomáticas com a Grã-Bretanha.

As autoridades venezuelanas argumentam que os americanos e os europeus conspiraram para fraudar o seu país e argumentam que um acordo de 1966 para resolver a disputa anulou efetivamente a arbitragem original.

GuianaO único país de língua inglesa na América do Sul disse que o acordo inicial era legal e vinculativo e pediu ao Tribunal Internacional de Justiça em 2018 que se pronunciasse sobre o assunto, mas uma decisão poderia levar anos.

READ  Previsão do furacão Lidia afetará resorts em Puerto Vallarta, México

Os eleitores no domingo terão de responder se “concordam em rejeitar, em todos os aspectos da lei”, o tratado de 1966 como “o único instrumento legal válido” para alcançar a fronteira e o assentamento de 1899.

Maduro e seus aliados estão pedindo aos eleitores que respondam “sim” a todas as cinco perguntas do referendo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *