Ucrânia e Rússia assinam acordo para reabrir portos de grãos, diz Turquia

  • A ONU e a Turquia trabalharam para intermediar um acordo de exportação de grãos Ucrânia-Rússia
  • Há esperança de que a crise global de alimentos amenize
  • Zelensky da Ucrânia vê potencial para ganhos no campo de batalha

ISTAMBUL/KYIV, 22 Jul (Reuters) – A Rússia e a Ucrânia assinarão um acordo nesta sexta-feira para reabrir os portos ucranianos do Mar Negro para exportações de grãos, disse a Turquia, aumentando as esperanças de que possa aliviar uma crise alimentar internacional agravada pela invasão da Rússia.

Ucrânia e Rússia, entre os maiores exportadores de alimentos do mundo, não confirmaram imediatamente o anúncio de quinta-feira do gabinete presidencial turco. Mas em um discurso de vídeo tarde da noite, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky deu a entender que os portos do Mar Negro de seu país poderiam ser bloqueados em breve.

O bloqueio naval da Rússia no Mar Negro agravou as interrupções na cadeia de suprimentos global e, juntamente com as sanções ocidentais impostas a Moscou, alimentou a alta inflação nos preços de alimentos e energia desde que as forças russas entraram na Ucrânia em 24 de fevereiro.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Os detalhes completos do negócio não foram divulgados imediatamente. Será assinado às 13:30 GMT de sexta-feira, informou o gabinete do presidente turco, Tayyip Erdogan. Leia mais O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, estava visitando a Turquia.

Concentrando-se principalmente na capacidade das forças ucranianas de obter ganhos no campo de batalha, Zelensky disse: “Amanhã esperamos mensagens da Turquia para o nosso estado – sobre o bloqueio de nossos portos”.

‘pacote

Moscou negou a responsabilidade pelo agravamento da crise alimentar, em vez disso, culpou um efeito assustador nas sanções ocidentais que reduziram suas próprias exportações de alimentos e fertilizantes e a mineração da Ucrânia em seus portos do Mar Negro.

READ  Anúncios ao vivo do governo: Omigron News, restrições e muito mais

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que Washington se concentrará em responsabilizar Moscou pela implementação do acordo.

As Nações Unidas e a Turquia vêm intermediando o que Guterres chamou de “pacote” há dois meses – restaurando as exportações de grãos da Ucrânia no Mar Negro e facilitando as exportações russas de grãos e fertilizantes.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que a União Europeia de 27 países propôs afrouxar algumas restrições anteriores em um esforço para proteger a segurança alimentar global, e Moscou espera que isso crie condições para exportações irrestritas de grãos e fertilizantes.

Os olhos da Ucrânia mudam a maré

Zelenskiy se reuniu com comandantes de alto escalão na quinta-feira para discutir o fornecimento de armas e a intensificação dos ataques aos russos. consulte Mais informação

“(Nós) concordamos que nossas forças têm uma forte capacidade de avançar no campo de batalha e infligir novas perdas significativas aos agressores”, disse ele em seu discurso em vídeo.

Kyiv espera que as armas ocidentais, especialmente mísseis de longo alcance, como o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade dos EUA (HIMARS), permitam contra-atacar e recapturar as regiões leste e sul perdidas para a invasão.

A Ucrânia acusou os russos de intensificar os ataques com mísseis e foguetes contra cidades nas últimas semanas.

Milhares de pessoas morreram e vilas e cidades foram devastadas pelos bombardeios russos durante o conflito, com algumas das linhas de frente sendo atingidas por mísseis. Moscou nega que tenha disparado deliberadamente contra civis e diz que seus alvos são todos militares.

No entanto, de acordo com a inteligência militar britânica, as armas russas de longo alcance são mais propensas a errar seus alvos e causar baixas civis, já que Moscou usa sistemas de defesa aérea de longo alcance para compensar sua falta de mísseis de ataque ao solo.

READ  Carlos Santana desmaiou no palco do Pine Knop

Tais sistemas de defesa aérea, que têm pequenas ogivas para derrubar aeronaves e mísseis, dificilmente penetrariam em estruturas militares duras no solo e suas tripulações teriam pouco treinamento para tais missões, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido em uma atualização de inteligência. Na sexta.

Não houve grandes desenvolvimentos na frente desde que as forças russas capturaram as duas últimas cidades controladas pela Ucrânia na província oriental de Luhansk no final de junho e início de julho.

As forças russas estão agora focadas em capturar toda a província vizinha de Donetsk em nome de representantes separatistas, que incluem a vasta região industrializada de Donbas.

Em sua atualização matinal, o Estado-Maior da Ucrânia disse que as forças russas, apoiadas por fogo de artilharia pesada, continuaram a obter ganhos em direção às cidades de Kramatorsk e Bagmut e à usina termelétrica de Vuhlehirska, na província de Donetsk, mas não fizeram progressos significativos no terreno.

Forças ucranianas bombardearam a cidade de Donetsk, controlada pela Rússia, na manhã de sexta-feira, informou a agência de notícias estatal russa TASS, citando a República Popular de Donetsk (DPR).

As tropas ucranianas também destruíram pontes antes de se retirarem da cidade de Lysizansk, em Luhansk, que agora está prejudicando o fornecimento de alimentos, disse o prefeito interino Andrey Skory à TASS.

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” para militarizar seu vizinho e erradicar nacionalistas perigosos.

Kiev e o Ocidente dizem que é uma tentativa imperialista de recapturar um país libertado do domínio de Moscou com a dissolução da União Soviética em 1991.

Mais de 5.000 pessoas foram mortas no maior conflito da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, mais de 6 milhões foram forçados a fugir da Ucrânia e 8 milhões foram deslocados internamente, segundo as Nações Unidas.

Relatório do Reuters Bureau; Escrito por Mark Heinrich; Edição por Stephen Coates e Nick MacPhee

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.