Tropas israelenses lutam contra o Hamas no norte de Gaza, hospitais na linha de fogo

  • Desenvolvimentos recentes:
  • Os residentes de Gaza dizem que as tropas israelenses estão se aproximando do Hospital Al Shifa, onde Israel acredita que o centro de comando do Hamas está localizado.
  • Pelo quinto dia consecutivo, Israel abriu passagem para as pessoas deixarem a Cidade de Gaza

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) – Forças israelenses bombardearam edifícios no norte da Faixa de Gaza nesta quinta-feira, combatendo militantes do Hamas enquanto o número de vítimas civis piorava no território palestino sitiado.

Os moradores de Gaza disseram que as tropas israelenses estavam se aproximando do Hospital Al Shifa, o maior centro de saúde de Gaza, onde Israel acredita estar localizado um centro de comando do Hamas. Milhares de palestinos se refugiaram ali devido aos incessantes bombardeios israelenses.

O chefe dos direitos humanos das Nações Unidas apelou a um cessar-fogo e disse que ambos os lados cometeram crimes de guerra.

Em Paris, responsáveis ​​de cerca de 80 países e organizações reuniram-se para coordenar a ajuda humanitária a Gaza e encontrar formas de ajudar os civis feridos a escapar ao cerco.

Moradores da Cidade de Gaza, um reduto militante no norte do território governado pelo Hamas, disseram que tanques israelenses estavam estacionados ao redor da cidade. Ambos os lados alegaram ter infligido pesadas baixas um ao outro em violentos combates de rua.

Israel desencadeou o seu ataque a Gaza em retaliação a um ataque transfronteiriço do Hamas no sul de Israel, em 7 de Outubro, no qual homens armados mataram 1.400 pessoas, a maioria civis, e fizeram cerca de 240 reféns, segundo cálculos israelitas. Foi o dia mais sangrento dos 75 anos de história de Israel.

Autoridades palestinas disseram na quarta-feira que 10.569 moradores de Gaza foram mortos, 40% deles crianças, enquanto uma crise humanitária assolava o enclave, com suprimentos básicos acabando e edifícios demolidos pelo implacável bombardeio israelense.

Israel, que prometeu destruir o Hamas, afirma que a sua operação terrestre matou 33 soldados à medida que avançava para o coração da Cidade de Gaza.

READ  Casa Branca de Trump pressiona Disney a censurar Jimmy Kimmel - Rolling Stone

As tropas israelenses asseguraram o Complexo 17, um reduto militar do Hamas em Jabalya, norte de Gaza, após uma batalha de 10 horas com militantes do Hamas e da Jihad Islâmica, disseram os militares israelenses na quarta-feira.

As tropas mataram dezenas de militantes, apreenderam armas, expuseram poços de túneis e descobriram uma base de produção de armas do Hamas num edifício residencial no bairro de Sheikh Radwan.

Imagens militares israelenses mostraram-nos rastejando pelos escombros até um prédio onde uma parede havia sido destruída, revelando equipamentos de fabricação de armas, manuais de instruções e um poço de túnel com sistema de refrigeração. Perto dali havia um quarto de menina com paredes rosa, guarda-roupas rosa e três camas pequenas.

O braço de armas do Hamas disse que matou um número maior de soldados israelenses do que o exército havia relatado e destruiu dezenas de tanques, escavadeiras e outros veículos. Divulgou imagens de militantes disparando foguetes antitanque e atingindo veículos diretamente.

Não correndo para lugar nenhum

Milhares de palestinos buscaram refúgio no Hospital Al Shifa, na cidade de Gaza, enquanto Israel ordenava a evacuação da área cercada. Eles se abrigaram em tendas nas instalações do hospital e dizem que não têm para onde ir.

O escritório humanitário da ONU, OCHA, disse que o exército israelense disse novamente aos residentes do norte para se deslocarem para o sul, abrindo um corredor de quatro horas pelo quinto dia consecutivo. Cerca de 50 mil pessoas deixaram a área na quarta-feira, disse.

Os confrontos e bombardeios continuaram ao redor da estrada principal, colocando em risco os evacuados. A maioria dos evacuados estava a pé quando o exército israelita lhes disse para deixarem os seus veículos no extremo sul da Cidade de Gaza, deixando cadáveres na beira da estrada.

Um grande número de pessoas deslocadas da população de Gaza de 2,3 milhões já está amontoada em escolas, hospitais e outros locais no sul.

READ  A polícia de Gladstone confirmou a morte do desaparecido Jayden Robker, de 13 anos.

Embora os combates estejam concentrados no norte, as áreas do sul também estão sob ataques regulares. Na principal cidade de Khan Younis, no sul de Gaza, moradores vasculharam na manhã de quinta-feira os escombros e escombros retorcidos de um prédio destruído por um ataque aéreo israelense, disseram testemunhas.

“À medida que as mortes e os feridos continuam a aumentar em Gaza devido às intensas hostilidades, à grave sobrelotação e à interrupção do saneamento, os sistemas de água e saneamento representam um risco adicional: a rápida propagação de doenças infecciosas”, afirmou a Organização Mundial de Saúde.

Crimes de guerra

Direitos Humanos da ONU O Alto Comissário Volker Turk apelou na quarta-feira a um cessar-fogo imediato – que Israel e o seu principal aliado, os EUA, continuam a negar que beneficiaria o Hamas.

“As atrocidades cometidas por grupos armados palestinos em 7 de outubro são hediondas, são crimes de guerra – assim como a manutenção contínua de reféns”, disse Turk na passagem de Rafah, na fronteira de Gaza com o Egito.

“A punição coletiva de Israel aos civis palestinos é um crime de guerra e constitui uma evacuação forçada ilegal de civis”, disse ele.

Estados árabes, potências ocidentais, membros do G20 e grupos humanitários como os Médicos Sem Fronteiras discutirão medidas para aliviar o sofrimento em Gaza numa conferência em Paris na quinta-feira, mas sem uma pausa nos combates as expectativas são baixas.

Entre as opções discutidas estava a criação de uma rota marítima, que poderia utilizar rotas marítimas para enviar ajuda humanitária a Gaza ou para evacuar os feridos.

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, que está de passagem pela região em missão diplomática, descreveu as expectativas de Washington para Gaza quando o conflito terminar na quarta-feira. Ele rejeitou as alegações israelenses de que Israel deveria ser responsável pela segurança de Gaza indefinidamente.

READ  Gorbachev, o último líder da União Soviética que encerrou a Guerra Fria e ganhou um Prêmio Nobel, morreu aos 91 anos.

“Gaza não deveria ser reocupada após o fim do conflito. Gaza não deveria ser bloqueada ou tentar ser bloqueada. As fronteiras de Gaza não deveriam ser reduzidas”, disse Blinken em entrevista coletiva em Tóquio.

O fim do conflito pode exigir “algum período de transição”, disse Blinken, mas a Gaza pós-crise “deve estar sob uma governação liderada pelos palestinianos e Gaza deve ser integrada na Cisjordânia sob a autoridade palestiniana”.

A Autoridade Palestiniana (AP), que exerce um autogoverno limitado em partes da Cisjordânia ocupada por Israel, afirma que a Faixa de Gaza, governada pelo Hamas desde 2007, é parte integrante de um futuro Estado palestiniano.

Autoridades israelenses disseram que não querem ocupar Gaza depois da guerra, mas ainda não revelaram como irão garantir a segurança. Israel retirou as suas forças de Gaza em 2005.

Reportagem de Nidal al-Mughrabi e Mytal Angel em Gaza, Emily Rose e Mayan Lubel em Jerusalém, Rami Amiche em Tel Aviv, Matt Spetalnik e Humera Pamuk em Washington e outros escritórios da Reuters; Escrito por Michael Perry e Angus MacSwan; Edição de Simon Cameron-Moore e Peter Graf

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Um repórter veterano com quase 25 anos de experiência na cobertura do conflito palestino-israelense, incluindo diversas guerras e a assinatura do primeiro acordo de paz histórico entre os dois lados.

O repórter indicado ao prêmio cobre eventos de alto impacto em bens leves e produtos agrícolas com a mais ampla cobertura, analisa tendências do setor e revela desenvolvimentos que impulsionam o mercado. Inclui histórias investigativas que movimentam o mercado sobre fluxos comerciais de commodities, estratégia corporativa, pobreza dos agricultores, sustentabilidade, mudanças climáticas e políticas governamentais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *