Tapeçaria e Capri anunciam mega fusão de luxo

A Tapestry, empresa de moda proprietária da Coach e Kate Spade, disse na quinta-feira que comprou a Capri Holdings, controladora da Versace e Michael Kors, por cerca de US$ 8,5 bilhões em dinheiro, à medida que a consolidação no mercado de luxo se acelera.

Um acordo entre duas grandes empresas norte-americanas para marcas de luxo familiares deixou varejistas de luxo esperando crescimento em meio a sinais de que os consumidores norte-americanos estão reduzindo os gastos discricionários. Isso ocorre com os players de luxo mais dominantes ansiosos para escolher marcas e expandir seus portfólios.

Juntos, os dois grupos gerarão cerca de US$ 12 bilhões em receita, juntamente com marcas como Coach, Kate Spade e Stuart Weitzman, além de Versace, Jimmy Choo e Michael Kors. Assim que a transação for concluída, eles operarão sob o nome de Tapeçaria.

A mudança é uma jogada ousada dos executivos da moda americana para criar um conglomerado que possa competir com o poderio de gigantes europeus como LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton e Kering, que possui marcas como Gucci e Saint Laurent.

Os executivos-chefes da Tapestry e da Capri enfatizaram que a combinação levaria suas bolsas, sapatos e vestuário a uma base de consumidores mais ampla e permitiria que adquirissem mais recursos. A aquisição ajudará a expandir o alcance da Tapestry na Europa, Oriente Médio e África, ao mesmo tempo em que dará às marcas de Capri maior exposição na Ásia.

As empresas disseram que a fusão lhes permitirá aumentar seus negócios diretos ao consumidor e economizar US$ 200 milhões em custos operacionais e da cadeia de suprimentos em três anos.

“Isso representa uma oportunidade financeira muito atraente”, disse Joan Crevoseret, presidente-executivo da Tapestry, em entrevista. “Através desta combinação, identificamos uma oportunidade de aprofundar nosso envolvimento com clientes de luxo”.

READ  Bolsas europeias abrem em alta após acordo sobre teto da dívida dos EUA

Em uma teleconferência com investidores na quinta-feira, os analistas concentraram suas perguntas em como as duas empresas se integrariam e no cronograma para a economia de custos resultante. Os executivos enfatizaram que o agrupamento de recursos permitiria que suas marcas compartilhassem capacidades digitais e de marketing, transporte e cadeias de suprimentos, muitas vezes chamadas de sinergias.

“As sinergias são sempre fáceis de fazer, então isso claramente merece atenção”, disse Simeon Siegel, analista de varejo da BMO Capital Markets, em nota aos clientes. “Mas se as duas empresas quiserem desfrutar de sinergias, a Tapestry e a Capri estarão alinhadas.”

Os executivos expressaram confiança de que suas marcas poderiam ser integradas.

“Ao ingressar na Tapestry, teremos mais recursos e capacidades para acelerar nossa expansão global, preservando o DNA exclusivo de nossas marcas”, disse John D. Idol, presidente-executivo da Capri, disse em um comunicado.

Como a Tapestry fundiu as duas empresas, disse que investiria dinheiro em marketing e branding.

“Os consumidores querem que a marca tenha a mesma aparência de sempre e, ao colocá-los em uma plataforma digital, ela pode parecer um pouco mais inovadora e relevante para que eles possam se relacionar”, disse Crevoisserat. “Mas eles não devem perceber a marca de maneira diferente com base no DNA da marca.”

As ações da Tapestry caíram quase 16 por cento na quinta-feira. As ações da Capri subiram quase 56 por cento.

O acordo será financiado por meio de dívida, que a Tapestry pode “pagar rapidamente”, disse o diretor financeiro da empresa em comunicado. Em seu trimestre mais recente, as vendas líquidas da Tapestry aumentaram 13%, enquanto a receita da Capri caiu 10,5% em seu trimestre mais recente.

READ  Incêndio em Maui: Hawaii Electric enfrenta investigação por manipulação de evidências

“O possível acordo ocorre em um momento em que o luxo, principalmente no mercado norte-americano, enfrenta uma recessão”, observou Neil Sanders, diretor-gerente da Global Data, uma empresa de consultoria de varejo. “Isso pressionou a Tapestry e a Capri, que agora buscam mercados internacionais para impulsionar o crescimento. Como uma grande empresa, há mais segurança em lançar projetos internacionais ousados.

Analistas disseram que o acordo dá à Tapestry mais economia no mercado de luxo.

Há muito que Nada está de olho em uma “casa de luxo” como a Kering e a LVMH, disse Craig Johnson, chefe de consultoria da Client Growth Partners. “Mas suas marcas atuais são mais luxuosas do que verdadeiras luxuosas. Capri dá à tapeçaria um controle sobre o mundo do verdadeiro luxo, e enquanto Kors Capri é a maior marca, com o tempo Versace pode ser a verdadeira ‘jóia da coroa’.

O acordo é o mais recente dos últimos meses para o setor de luxo global. Esta semana, a famosa casa de moda australiana Zimmerman foi adquirida pela empresa de private equity Advent Em um negócio de US$ 1 bilhão. No mês passado, Kering disse Compre ações da ValentinoTrazendo outra grande marca de moda sob sua tenda.

Continua a circular a especulação de que a Bergdorf Goodman poderia ser vendida para a LVMH, o maior grupo de luxo do mundo. A loja de departamentos Bergdorf na Fifth Avenue em Nova York fica do outro lado da rua da reluzente butique da Tiffany & Company, a joalheria que a LVMH comprou por US$ 15,8 bilhões em 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *