Rússia abandona a cidade ucraniana de Kherson em uma retirada maciça

LONDRES, 9 de novembro (Reuters) – O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, ordenou nesta quarta-feira que suas forças se retirem da cidade ucraniana ocupada de Kherson e estabeleçam linhas defensivas na margem oposta do rio Dnipro.

O anúncio foi um dos recuos mais significativos da Rússia e um potencial ponto de virada na guerra, agora chegando ao final de seu nono mês.

Em comentários televisionados, o general Sergei Surovykin, o comandante geral da guerra, informou a Shoigu que a rendição da cidade de Kherson não era mais possível.

“Tendo avaliado completamente a situação atual, propõe-se realizar defesas na margem esquerda (leste) do rio Dnipro”, disse Surovikhin, de pé em um púlpito e indicando as posições das tropas em um mapa. Telespectadores.

“Entendo que esta é uma decisão muito difícil, mas ao mesmo tempo protegeremos o mais importante – a vida de nossos soldados e, em geral, a eficácia de combate de um grupo de tropas, é inútil mantê-lo. A margem direita em uma determinada área.”

A notícia segue semanas de avanços ucranianos na cidade e a corrida da Rússia para realocar mais de 100.000 moradores, transportando-os para o lado oposto do rio.

Kherson é a principal cidade da região de mesmo nome – uma das quatro regiões ucranianas que o presidente Vladimir Putin declarou em setembro como “permanentemente” anexada pela Rússia e que o Kremlin diz agora estar sob o guarda-chuva nuclear de Moscou.

Shoigu disse a Surovikhin: “Concordo com suas conclusões e propostas. Para nós, a vida e a saúde dos soldados russos sempre vêm em primeiro lugar. Também devemos levar em consideração as ameaças aos civis.

“Continue a retirar as tropas e tome todas as medidas para garantir a transferência segura de pessoal, armas e equipamentos pelo rio Dnipro.”

READ  EXCLUSIVO: Biden atinge a China com ampla proibição de exportações de chips e equipamentos dos EUA

O anúncio era esperado pelos influentes blogueiros de guerra da Rússia, que o descreveram como um duro golpe.

O blog War Gonzo, que tem mais de 1,3 milhão de assinantes no Telegram, disse: “Por mais doloroso que seja escrever sobre isso agora, vamos deixar a cidade”.

“Em termos simples, Gerson não pode ser capturado com as mãos nuas”, disse. “Sim, esta é uma página negra na história do exército russo. O Estado russo. Uma página triste.”

Aumentando a sensação de agitação russa em Kherson, o segundo funcionário de Moscou, Kirill Stremosov, foi morto em um acidente de carro na quarta-feira.

Stremosov foi um dos rostos mais proeminentes da ocupação russa. A Ucrânia o considerava um colaborador e traidor.

Em uma declaração em vídeo horas antes de sua morte, Stremosov denunciou o que chamou de “nazistas” ucranianos e disse que os militares russos estavam “no controle total” da situação no sul.

Relatado pela Reuters; Por Mark Trevelyan; Edição por John Boyle e Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *