Países da UE aprovam taxas extraordinárias de energia e voltam ao teto de preço do gás

  • UE aprova impostos sobre lucros inesperados de energia
  • Os limites de preço do gás são o próximo passo para os países
  • Estados estão divididos sobre como controlar preços altíssimos

BRUXELAS, 30 Set (Reuters) – Os países da União Europeia concordaram nesta sexta-feira em impor impostos emergenciais sobre os lucros inesperados das empresas de energia e iniciaram negociações sobre o próximo passo para enfrentar a crise energética da Europa – um teto para o preço do gás em todo o bloco.

Ministros dos 27 estados membros da UE se reuniram em Bruxelas na sexta-feira, onde aprovaram medidas propostas no início deste mês para conter o aumento dos preços da energia.

O pacote inclui um imposto sobre os lucros excedentes das empresas de combustíveis fósseis neste ano ou no próximo, outro imposto sobre as altas receitas dos produtores de energia de baixo custo e uma redução de 5% no uso de eletricidade durante os períodos de pico de preços.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Com o acordo em vigor, o próximo passo da UE começou as negociações na manhã de sexta-feira para conter a crise de preços, com muitos países querendo um teto mais amplo para o preço do gás, embora outros – principalmente a Alemanha – se oponham.

“Todas essas medidas temporárias são muito boas, mas para encontrar uma solução para ajudar nossos cidadãos nesta crise de energia, precisamos controlar os preços do gás”, disse o ministro da Economia croata, Davor Filipovic, em uma reunião na sexta-feira.

Quinze países, incluindo França, Itália e Polônia, pediram a Bruxelas nesta semana que propusesse um teto de preço em todas as transações de gás no atacado para conter a inflação.

READ  Aqui está o que você precisa saber sobre as novas opções Editar e Não enviados para o iMessage

Bélgica, Grécia, Polônia e Itália disseram em um memorando visto pela Reuters na quinta-feira descrevendo seu plano de que o limite deve ser “alto e flexível o suficiente para permitir que a Europa atraia os recursos necessários”.

Os países rejeitaram a alegação da Comissão de que um teto mais amplo do preço do gás exigiria “recursos financeiros significativos” para financiar compras de gás de emergência se os preços de mercado excederem o limite da UE.

O ministro da Energia da Bélgica, Tinne Van der Straeten, disse que apenas 2 bilhões de euros (US$ 1,96 bilhão) seriam necessários, já que a maioria das importações europeias está sob contratos de longo prazo ou chega por gasoduto sem compradores alternativos fáceis.

Ele fará parte dos 140 bilhões de euros que espera aumentar em seus impostos sobre lucros inesperados sobre as empresas de energia da UE.

Mas Alemanha, Áustria, Holanda e outros alertam que os amplos tetos de preço do gás tornarão difícil para os países comprarem gás se não puderem competir com compradores em mercados globais competitivos em preços.

Um diplomata da UE disse que a ideia “arrisca a segurança do abastecimento” enquanto a Europa entra no inverno com suprimentos de energia apertados depois que a Rússia cortou o fluxo de gás para a Europa em retaliação às sanções ocidentais contra Moscou por sua invasão da Ucrânia.

READ  Faculdades se preparam para perda de SCOTUS em admissões raciais

A Comissão Europeia também levantou dúvidas, sugerindo que a UE avance com limites de preços mais estreitos, visando apenas o gás russo, ou especificamente o gás usado para geração de energia.

O chefe de política energética da UE, Kadri Simpson, disse que “precisamos colocar um teto de preço em todo o gás russo”.

Bruxelas sugeriu a ideia no início deste mês, mas encontrou oposição de países da Europa Central e Oriental, que temem que Moscou retalie cortando o gás restante que ainda envia a eles.

Ao introduzir medidas em toda a UE, Bruxelas espera superar as abordagens nacionais desiguais dos governos à crise de energia, que viu os países mais ricos da UE fazerem mais do que os países mais pobres para fornecer dinheiro a empresas e consumidores em dificuldades com contas.

A Alemanha, maior economia da Europa, estabeleceu um pacote de 200 bilhões de euros na quinta-feira para lidar com o aumento dos custos de energia, incluindo um freio no preço da gasolina.

O ministro da Energia de Luxemburgo, Claude Durms, pediu a Bruxelas que mude as regras de auxílio estatal da UE para evitar uma competição “insana” de gastos entre os países.

“Esta é a próxima fronteira, para obter mais unidade e parar essas lutas internas”, disse Durmes.

(US$ 1 = 1,0182 euros)

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Kate Abnett e Gabriela Pacinska; Reportagem adicional de Philip Blenkinsop, Bart Meijer e John Chalmers; Edição de John Harvey

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.