OMS: A hepatite é a segunda principal causa infecciosa de morte em todo o mundo

Mais de 6.000 pessoas são infectadas por dia com hepatite viral – e o progresso no combate à doença estagnou, de acordo com um relatório recentemente divulgado pela Organização Mundial de Saúde.

O AnáliseLançado este mês na Cimeira Mundial sobre a Hepatite, em Lisboa, analisa o fardo da hepatite viral em 187 países e avalia o progresso mundial na eliminação da doença.

Embora a hepatite possa estar presente causado Pode ser desencadeada por um vírus que causa hepatite, icterícia, febre e outros sintomas, com consumo excessivo de álcool e certos medicamentos. Existem cinco cepas principais do vírus e algumas cepas podem ser prevenidas pela vacinação. Duas estirpes do vírus, a hepatite B e C, provocam doenças de longa duração, sendo a hepatite B a causa da maioria das mortes.

As mortes causadas pela doença estão a aumentar, sendo a hepatite viral a segunda principal causa de morte entre as doenças transmissíveis não relacionadas com a Covid em todo o mundo, observa o relatório. Até 2022, escrevem os autores, as mortes por hepatite viral aumentarão para 1,3 milhões em todo o mundo, acima dos 1,1 milhões em 2019. Embora os novos casos tenham diminuído nesse período, o relatório diz que o mundo “não está no caminho certo” para a OMS. alvo Reduzir as novas infecções por hepatite em 90% e as mortes em 65% até 2030.

Dois terços do fardo global da hepatite viral recai sobre apenas 10 países: China, Índia, Indonésia, Nigéria, Paquistão, Etiópia, Bangladesh, Vietname, Filipinas e Rússia. As disparidades nos cuidados primários, na disponibilidade de medicamentos, nos testes e na vacinação impulsionam essas disparidades, afirma o relatório.

“Este relatório pinta um quadro complexo: apesar do progresso global na prevenção de infecções por hepatite, as mortes estão a aumentar porque as pessoas com hepatite são subdiagnosticadas e tratadas”, disse o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, num comunicado de imprensa. liberdade.

READ  Alemanha e OTAN descartam envio de tropas para a Ucrânia enquanto Rússia condena Macron | Notícias da Guerra Rússia-Ucrânia

O relatório identifica desafios financeiros que poderão limitar ainda mais o progresso. Mas a OMS conclui que uma abordagem de saúde pública que expanda o acesso equitativo às intervenções contra a hepatite poderia colocar o mundo novamente no bom caminho e ajudar a eliminar a doença até ao final da década.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *