O primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohammad Shtayyeh, e o governo renunciam

Jaber Ashtiyeh/AFP/Getty Images

O primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohamed Shtayyeh, participa de uma reunião de gabinete na cidade ocupada de Ramallah, na Cisjordânia, em 27 de dezembro.



CNN

O primeiro-ministro palestino, Mohammed Shtayyeh, e seu governo anunciaram na segunda-feira que haviam renunciado.

“Apresentei a renúncia do governo ao senhor presidente (Mahmoud Abbas) na terça-feira passada e gostaria de informar o honorável conselho e os nossos anciãos que hoje a apresentarei por escrito”, disse Shtayye numa publicação no Facebook. .

A renúncia está sob a alçada da corrupta Autoridade Palestina (AP). Forte pressão dos EUA Israel deve reformar e melhorar a sua governação na Cisjordânia ocupada.

A AP foi formada em meados da década de 1990 como um governo interino enquanto se aguarda a independência palestina, depois que a Organização para a Libertação da Palestina assinou os Acordos de Oslo com Israel. Está sediada na cidade ocupada de Ramallah, na Cisjordânia, e exerce autonomia nominal em partes do território.

Um governo dominado pelo partido político Fatah manteve o controlo administrativo sobre Gaza até 2007, altura em que o Hamas o derrubou em 2006, quando o Hamas venceu as eleições legislativas nos territórios ocupados. Israel rejeitou a oferta da AP de regressar a Gaza depois da guerra e rejeita a ideia de estabelecer um Estado palestiniano nos territórios.

No entanto, os Estados Unidos apoiam uma AP reformada que controle tanto a Cisjordânia como Gaza como parte de um futuro Estado independente.

Shtayye, nomeado primeiro-ministro em 2019, disse à CNN em outubro que não havia solução para o conflito israelo-palestiniano. Sem a América, mas acrescentou que a actual administração dos EUA não tem vontade política para acabar com o conflito. “Eles conseguem isso”, disse ele.

READ  Estados Unidos enviam sistemas de foguetes avançados para a Ucrânia, diz Biden

Até a Frente Jana Muito impopular Entre os palestinianos, existe a percepção de que a segurança não pode ser garantida face às incursões israelitas regulares na Cisjordânia. Isto foi revelado numa pesquisa de dezembro realizada pelo Centro Palestino de Pesquisas Políticas e de Pesquisas. Mais de 60% Os palestinos querem a dissolução da AP. Entretanto, o apoio ao Presidente Abbas, que está no cargo desde 2005, caiu drasticamente. Na Cisjordânia, uma sondagem revelou que 92% dos inquiridos queriam que ele renunciasse.

O Primeiro Ministro Uma segunda intifada (revolta) palestiniana eclodiu na AP em 2003, depois de os EUA, a UE e Israel terem apelado a reformas. Foi então o primeiro passo real do Presidente Yasser Arafat no sentido da partilha do poder desde a criação do Podujana Peramuna. Naquela época, Arafat nomeou Abbas como primeiro-ministro. Abbas assumiu a presidência após a morte de Arafat em 2004.

Esta é uma história em desenvolvimento e será atualizada.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *