Inteligência do Reino Unido diz que Rússia está trazendo mais forças de reserva para a Ucrânia

Forças separatistas pró-Rússia são vistas na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, em 28 de maio de 2022.

Agência Anadolu | Agência Anadolu | Boas fotos

De acordo com o Ministério da Defesa do Reino Unido, a Rússia deve aproximar suas forças de reserva da Ucrânia. Enquanto isso, Moscou diz que não tem planos de retirar suas forças das áreas ocupadas no sul da Ucrânia e que seus soldados limparão as forças ucranianas em toda a região de Donbass.

“A Rússia está movendo forças de reserva por todo o país e concentrando-as perto da Ucrânia para futuras operações ofensivas”, escreveu o Ministério da Defesa do Reino Unido em um tuíte no sábado.

“A maioria das novas unidades de infantaria estão usando veículos blindados MT-LB de armazenamento de longo prazo como seu transporte principal”.

A Rússia há muito considera seus tanques “inadequados para a maioria das funções de transporte de infantaria na linha de frente”, com o ministério dizendo que os russos estavam enfrentando problemas de equipamento.

“Apesar da declaração do presidente Putin em 07 de julho de 2022 de que os militares russos não ‘começaram’ seus esforços na Ucrânia, muitos de seus reforços são implantados com grupos ad hoc, equipamentos obsoletos ou inadequados”, afirmou.

Leia mais: EUA enviarão mais US$ 400 milhões em ajuda militar à Ucrânia; Rússia atacou o Ocidente no G-20

No entanto, enquanto as forças russas continuam a atacar o Donbass oriental da Ucrânia, o embaixador da Rússia no Reino Unido, Andriy Gelin, disse na sexta-feira que suas tropas não têm planos de deixar as áreas costeiras do sul que ocuparam nos últimos meses. Eles incluem as regiões de Kherson, Mykolaiv e Zaporizhia, a última das quais abriga a maior usina nuclear da Europa.

READ  New Orleans Saints, segurança Tyrone Matthew concorda com o acordo

Enquanto isso, as forças ucranianas estão usando armas de precisão avançadas do Ocidente para retardar alguns dos avanços da Rússia, mas precisam de mais e as tropas precisam de mais tempo para aprender a usá-las, disse à Reuters Oleksiy Danilov, do Conselho Nacional de Defesa e Segurança. Uma entrevista.

Leia mais: Ucrânia diz que armas ocidentais fazem diferença, mas é preciso mais

O governo Biden deve fazer um anúncio Um pacote de ajuda de segurança de US$ 400 milhões para a Ucrânia, disse um alto funcionário da defesa que falou sob condição de anonimato para compartilhar novos detalhes do pacote de ajuda. O funcionário disse que a assistência de defesa mais recente seria uma combinação de sistemas já implantados para combate e novas capacidades.

Um funcionário de Moscou foi preso por suas opiniões anti-guerra

Em um exemplo do controle rígido da Rússia sobre a dissidência, um vereador de Moscou foi preso na sexta-feira por sete anos pelo que as autoridades descreveram como espalhar “informações falsas” sobre a guerra na Ucrânia.

Um advogado disse que foi a primeira vez que alguém foi preso sob a lei russa logo após o início da invasão da Ucrânia, que criminaliza a “disseminação deliberada de informações falsas sobre os militares russos”. “Informações falsas” pelos padrões do Kremlin contradizem as declarações do governo.

O deputado da cidade de Moscou, Alexei Korinov, acusado de espalhar “informações conscientemente falsas” sobre os combates militares russos na Ucrânia, perguntou: “Você ainda precisa desta guerra?” Ele está de pé com um cartaz. Dentro de uma sala de vidro durante a audiência de sentença de seu julgamento em um tribunal em Moscou em 8 de julho de 2022.

Kirill Kudryavtsev AFP | Boas fotos

O conselheiro, Alexey Korinov, estava discutindo um concurso de desenho infantil em uma reunião local, que foi filmado e depois colocado no YouTube. De acordo com a Reuters. “De que tipo de concurso de pintura infantil podemos falar para o Dia das Crianças… quando crianças morrem todos os dias?” Ele notou isso.

“Eles tiraram minha primavera, tiraram meu verão e agora tiraram mais sete anos da minha vida”, disseram os partidários de Corino durante sua sentença, segundo a Reuters.

Leia mais: Vereador da cidade de Moscou é condenado a sete anos de prisão por comentários anti-guerra

Tensões do G-20

Na reunião do G-20 na Indonésia, vários ministros das Relações Exteriores pediram o fim do bloqueio da Rússia aos portos ucranianos, que está bloqueando as principais exportações de alimentos para grande parte do mundo.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, respondeu acusando autoridades ocidentais de “russofobia raivosa” e se concentrando em criticar Moscou em vez de maneiras de enfrentar os problemas econômicos globais.

“Em vez de encontrar um consenso muito necessário sobre as principais questões de preocupação econômica e financeira global, há apenas russofobia fanática, para a qual o G-20 foi criado”, disse Lavrov na sexta-feira.

“Esta é uma provocação direta (da Ucrânia), destinada a provocar uma ação militar do Ocidente”, disse o chanceler russo, Sergei Lavrov, em entrevista coletiva na Arábia Saudita.

Ministério das Relações Exteriores da Rússia Reuters

Enquanto isso, no sábado, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que conversou com seu ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, sobre a agressão russa durante horas de conversas, a primeira discussão pessoal desde outubro.

Leia mais: Mais homens russos querem evitar o serviço militar, dizem alguns advogados e grupos de direitos humanos

Blinken disse que expressou preocupação com o “alinhamento” de Pequim com Moscou.

“Eu compartilhei novamente com o conselheiro de estado que estamos preocupados com a reaproximação da RPC com a Rússia”, disse Blinken, acrescentando que a China “expandiu a campanha russa”.

Embora a China diga que se opõe ao derramamento de sangue e quer o fim do conflito na Ucrânia, sua mídia culpou em grande parte a Otan e os Estados Unidos pela guerra e se recusou a concordar com as sanções ocidentais à Rússia. Pequim declarou uma parceria “sem limites” com Moscou apenas algumas semanas antes de sua invasão da Ucrânia.

—Amanda Macias da CNBC e a Reuters contribuíram para este relatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.