Inglaterra bate recorde de temperatura mais alta com aquecimento da Europa

LONDRES (AP) – A Grã-Bretanha quebrou seu recorde de temperatura mais alta já registrada na terça-feira em meio a uma onda de calor na Europa, disse o meteorologista nacional da Inglaterra, um fato da vida em um país despreparado para tais extremos. .

A nação normalmente temperada foi duramente atingida por um clima excepcionalmente quente e seco Tem alimentado incêndios florestais De Portugal aos Balcãs e levando a centenas de mortes relacionadas ao calor. Imagens de chamas correndo em direção à costa francesa E a fúria da Grã-Bretanha – mesmo à beira-mar – gerou preocupações domésticas sobre as mudanças climáticas.

A agência meteorológica do Met Office do Reino Unido registrou uma leitura provisória de 40,3 graus Celsius (104,5 graus Fahrenheit) em Coningsby, no leste da Inglaterra – quebrando o recorde estabelecido apenas algumas horas antes. Antes de terça-feira, a temperatura mais alta registrada na Grã-Bretanha era de 38,7 C (101,7 F), definida em 2019. No final da tarde, 29 lugares no Reino Unido haviam quebrado o recorde.

Stephen Belcher, cientista-chefe do Met Office, disse que tais temperaturas na Grã-Bretanha eram “quase impossíveis” sem a mudança climática causada pelo homem, enquanto o país observava com uma mistura de horror e fascínio.

“Poderíamos ver temperaturas como essa a cada três anos” sem uma ação séria sobre as emissões de carbono, alertou.

O clima quente interrompeu viagens, saúde e escolas. Muitas casas, pequenas empresas e prédios públicos na Grã-Bretanha, incluindo hospitais, não têm ar condicionado, refletindo o quão incomum esse calor é em um país conhecido pela chuva e temperaturas amenas.

O calor escaldante danificou a pista do aeroporto de Luton, em Londres, desde segunda-feira, forçando-a a fechar por várias horas e dobrando uma importante estrada no leste da Inglaterra para parecer um “skatepark”. As principais estações de trem foram fechadas ou quase vazias na terça-feira, pois os trens foram cancelados ou circulavam em velocidades reduzidas, fazendo com que os trilhos dobrassem.

READ  Plano do Senado para o horário de verão permanente levanta dúvidas na Câmara

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, enfrentou o que chamou de “enorme aumento” de incêndios devido ao calor. A Brigada de Incêndio de Londres listou 10 grandes incêndios contra os quais estava lutando na cidade na terça-feira, metade dos quais eram incêndios de grama. Imagens mostram casas envoltas em chamas enquanto a fumaça sobe dos campos em chamas na vila de Wennington, na periferia leste de Londres.

As vendas de fãs em um varejista, Asda, aumentaram 1.300%. Ventiladores elétricos resfriavam as tradicionais tropas montadas da Cavalaria Doméstica em pesados ​​uniformes cerimoniais enquanto montavam guarda no centro de Londres. A duração da cerimônia de troca da guarda no Palácio de Buckingham foi encurtada. O Hyde Park da capital, normalmente cheio de caminhantes, estava estranhamente quieto – além das longas filas para um mergulho no lago das serpentes.

“Vou ao meu escritório porque é legal e legal”, disse o geólogo Tom Elliott, 31, depois de nadar. “Eu pedalo em vez de pegar o tubo.”

Sempre firme, a rainha Elizabeth II trabalhou. A monarca de 96 anos realizou uma audiência virtual com a nova embaixadora dos EUA Jane Hartley da segurança do Castelo de Windsor.

Grande parte da Inglaterra, de Londres no sul a Manchester e Leeds no norte, estava sob o primeiro alerta “vermelho” do país para calor extremo na terça-feira, o que significa que até pessoas saudáveis ​​correm risco de morte.

Tais perigos são vistos na Grã-Bretanha e em toda a Europa. Pelo menos seis pessoas morreram afogadas enquanto tentavam se refrescar em rios, lagos e reservatórios na Espanha e no vizinho Portugal, com centenas de mortes relacionadas ao calor relatadas na onda de calor.

READ  Cancelamento de voo do freio de mola da companhia aérea: 10.000 e não

Os climatologistas alertam que o aquecimento global aumentou a frequência de eventos climáticos extremos, com estudos mostrando que as temperaturas no Reino Unido agora são 10 vezes mais propensas a atingir 40 C (104 F) do que nos tempos pré-industriais.

UN O chefe do Met Office disse esperar que o calor escaldante na Europa funcione como um “alerta” para os governos fazerem mais sobre as mudanças climáticas. Outros cientistas usaram o momento marcante para enfatizar que era hora de agir.

“Embora ainda raro, 40C é agora uma realidade dos verões britânicos”, disse Friedrich Otto, professor sênior de ciência climática no Instituto Grantham para Mudanças Climáticas do Imperial College London. “Se isso se torna uma ocorrência mais comum ou permanece relativamente raro, está em nossas mãos e é determinado por quando e em que temperatura média global atingimos zero líquido”.

O calor extremo também aqueceu o resto da Europa. Em Paris, o termômetro da estação meteorológica mais antiga da capital francesa – inaugurada em 1873 – atingiu 40 C (104 F) pela terceira vez. Os 40,5 C (104,9 F) medidos pelo serviço meteorológico Meteo-France na terça-feira foram superados apenas por 42,6 C (108,7 F) em julho de 2019.

Secas e ondas de calor combinadas com as mudanças climáticas tornaram os incêndios florestais mais comuns e mais difíceis de combater.

Na região de Gironde, no sudoeste da França, um violento incêndio florestal continuou a se espalhar por florestas secas de pinheiros, desafiando os esforços de mais de 2.000 bombeiros e aviões de bombardeio de água para apagar o incêndio.

Dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas de suas casas e locais de férias de verão desde o início do incêndio em 12 de julho, disseram autoridades de Gironde.

READ  Os Estados Unidos foram abalados por 3 tiroteios em massa no fim de semana da Páscoa; 2 pessoas morreram

Um terceiro pequeno incêndio ocorreu na segunda-feira na região vinícola de Medoc, ao norte de Bordeaux, sobrecarregando ainda mais os recursos. Cinco acampamentos foram queimados na zona costeira da costa atlântica, onde a bacia marítima de Arcachan, popular para ostras e resorts, ardeu.

Na Grécia, um grande incêndio florestal irrompeu a nordeste de Atenas, alimentado por ventos fortes. Oficiais do corpo de bombeiros disseram que nove aviões de combate a incêndios e quatro helicópteros foram mobilizados para evitar que as chamas atingissem áreas residenciais nas encostas do Monte Bendeley, cerca de 25 quilômetros a nordeste da capital. A fumaça do incêndio envolveu parte do horizonte da cidade.

Mas as previsões meteorológicas ofereceram algum conforto, com a expectativa de que as temperaturas caiam ao longo do Atlântico na terça-feira e uma chance de chuva no final do dia.

___

Os escritores da Associated Press Sylvia Huey e Joe Kearney em Londres, John Leicester em Le Becque, França, Mike Carter em Haia, Holanda e Jamie Keaton em Genebra contribuíram para esta história.

___

Siga a cobertura climática da AP em https://apnews.com/hub/climate-and-environment.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.