EUA estão preocupados com o ‘alinhamento’ da China com a Rússia, diz Blinken a Wang Yi

Os dois diplomatas descreveram suas primeiras conversas cara a cara desde outubro como “cândidas”, um dia depois de participar da reunião dos ministros das Relações Exteriores do G20 na ilha indonésia de Bali.

“Eu compartilhei novamente com o vereador que estamos preocupados Alinhamento da RPC com a Rússia”, disse Blinken sobre a República Popular da China em uma entrevista coletiva após as negociações.
Ele disse que não achava China Apoiou a Rússia nas Nações Unidas e permaneceu neutro, pois “expandiu a propaganda russa”.

Após a reunião, uma autoridade dos EUA disse: “Nenhum dos lados está recuando”.

“Fomos muito abertos sobre onde estão nossas diferenças… mas a reunião foi construtiva porque, apesar da franqueza, o tom foi muito profissional”, disse o funcionário.

Blinken disse que o presidente chinês Xi Jinping deixou claro em uma ligação com o presidente Vladimir Putin em 13 de junho que ele mantém a decisão de formar uma parceria com a Rússia.

Pouco antes da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, Pequim e Moscou declararam uma parceria “sem limites”, embora autoridades americanas digam que não veem a China evitando duras sanções lideradas pelos EUA à Rússia ou fornecendo equipamentos militares.

Autoridades dos EUA alertaram para as consequências, incluindo sanções econômicas, se a China fornecer apoio material ao que Moscou chama de “operação militar especial” para desestabilizar os militares ucranianos. Kiev e seus aliados ocidentais dizem que a invasão é uma apropriação de terras não provocada.

Questionado sobre sua recusa em manter conversas com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, no G20, Blinken disse: “O problema é este: não vemos nenhum sinal de que a Rússia esteja pronta para se envolver em uma diplomacia significativa neste momento”.

READ  STF decidirá sobre clima e imigração nos resultados finais do clima - ao vivo | política americana

Wang trocou opiniões profundas sobre a “questão da Ucrânia” durante as negociações no sábado, disse seu ministério em comunicado, sem dar detalhes.

Ele também disse a Blinken que a direção das relações EUA-China corre o risco de ser ainda mais “mal direcionada” por causa do problema com a percepção dos EUA sobre a China.

“Muitas pessoas acreditam que os Estados Unidos estão sofrendo uma séria guerra de ‘sinofobia'”, disse Wang.

Questão de taxas

Wang disse que Washington deveria cancelar imediatamente as tarifas adicionais sobre a China e interromper as sanções unilaterais às empresas chinesas.

Antes das negociações, autoridades dos EUA disseram que a reunião visava estabilizar a tensa relação EUA-China e evitar um confronto inadvertido.

No final de junho, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jack Sullivan, disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, e o chinês Xi deveriam conversar novamente nas próximas semanas.

Daniel Russell, diplomata dos EUA para o Leste Asiático sob o ex-presidente Barack Obama e próximo a funcionários do governo Biden, disse que o principal objetivo da reunião seria explorar a possibilidade de um encontro cara a cara com Biden antes das negociações. Xi, seu primeiro líder.

Os Estados Unidos chamam a China de seu principal rival estratégico e temem que um dia ela possa tentar assumir o controle da ilha democrática autônoma de Taiwan.

Apesar da rivalidade, as duas maiores economias do mundo continuam sendo parceiros comerciais importantes, e Biden está considerando suspender as tarifas sobre vários produtos chineses para conter a inflação nos EUA antes das eleições de novembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.