Rússia empurra forças ucranianas para os subúrbios da principal cidade do leste

  • Forças russas intensificaram sua ofensiva para capturar a principal cidade de Luhansk
  • Ucranianos podem recuar, mas não vão desistir da luta – Governador
  • Turquia e Rússia pedem à ONU que permita exportações de grãos ucranianos

Kiev / Esloveno, Ucrânia, 8 Jun (Reuters) – Forças ucranianas retornaram aos subúrbios do leste da cidade de Siverodonetsk nesta quarta-feira diante da forte agressão russa, disse o governador regional. As guerras sangrentas da guerra.

Nas últimas semanas, a Rússia concentrou suas tropas e pólvora na pequena cidade industrial para defender a província vizinha em nome de representantes separatistas. A Ucrânia prometeu lutar lá o máximo possível, dizendo que esta guerra ajudará a moldar o curso da guerra.

Depois de anunciar um contra-ataque surpresa na semana passada, o governador da região de Luhansk disse na quarta-feira que grande parte da cidade estava de volta às mãos dos russos.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

“… nossas (forças) estão controlando novamente apenas os subúrbios da cidade, mas a luta continua”, disse Sergei Kaitoi à mídia RBC-ucraniana.

As forças ucranianas ainda controlam Lyczynsk, uma pequena cidade gêmea na margem oeste do rio Shivarsky Donets, mas as forças russas estão destruindo edifícios residenciais lá, disse Kaitoi em um post online.

As tropas russas têm 10 vezes mais equipamentos do que as tropas ucranianas em algumas partes de Siverodonetsk, segundo o Ministério da Defesa ucraniano. A Ucrânia quer acelerar o fornecimento de armas para seus aliados ocidentais, alertando que a Rússia pode romper suas fronteiras no leste.

“Estamos defendendo nossas posições e infligindo perdas significativas ao inimigo. Esta é uma batalha muito feroz, muito difícil, talvez uma das mais duras desta guerra”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zhelensky em seu discurso à noite.

READ  Voto de desconfiança de Boris Johnson no Reino Unido: notícias ao vivo

“() Em muitos aspectos, o destino do Donbass é determinado lá”, acrescentou Zhelensky.

A Reuters não conseguiu verificar de forma independente as condições do solo em Sverdlovsk.

Moscou afirma estar envolvida em uma “operação militar especial” para desarmar e “reduzir” seus vizinhos. A Ucrânia e seus aliados afirmam que Moscou lançou uma guerra de agressão não provocada, matando milhares de civis e destruindo cidades.

Os números da ONU mostram que mais de 7 milhões de pessoas cruzaram a fronteira para a Ucrânia desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro.

‘Deus me salvou’

Luhansk e a província vizinha de Donetsk formam o Donbass, que é reivindicado por Moscou desde 2014 em nome dos representantes de Moscou que detêm a parte oriental da região. Moscou está tentando cercar as forças ucranianas em áreas que ainda mantêm.

Mulheres com crianças pequenas fizeram fila para recolher ajuda, enquanto outros moradores carregavam baldes de água pela cidade, a oeste de Sivrodonetsk, em Sloviansk, uma das principais cidades de Donbass nas mãos da Ucrânia.

A maioria dos moradores fugiu, mas as autoridades dizem que cerca de 24.000 pessoas estão na cidade após uma esperada ofensiva de que as forças russas se reunirão no norte.

Albina Petrovna, 85, descreveu o momento em que seu prédio ficou preso em um ataque, que quebrou suas janelas e destruiu sua varanda.

“O vidro quebrado caiu em cima de mim, mas Deus me salvou, tenho arranhões por toda parte…”, disse ela.

READ  Notícias recentes sobre a guerra na Rússia e na Ucrânia

A Rússia voltou sua atenção para o Donbass desde que suas forças foram derrotadas nos arredores de Kiev em março.

Os militares ucranianos dizem que quatro pessoas foram mortas em bombardeios russos de cerca de 20 cidades em Donbass nas últimas 24 horas, e suas tropas mataram 31 soldados russos. A Reuters não pôde confirmar imediatamente os números.

Em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, os moradores estavam limpando os escombros de um bombardeio no dia anterior. A Ucrânia afastou as forças russas dos subúrbios da cidade no mês passado, mas a Rússia ainda ataca de vez em quando.

Imagens de CCTV mostram um míssil suspeito destruindo um supermercado, destroços e itens em um shopping de Kharkiv na terça-feira. Cenas tiradas de um drone mostraram uma lacuna no telhado de um grande edifício.

“Os pilares de sustentação foram completamente destruídos”, disse Svitlana Tulina, gerente do supermercado, que disse que ninguém ficou ferido no ataque.

medo de grãos

A Ucrânia é um dos maiores exportadores de grãos do mundo, e as nações ocidentais acusam a Rússia de criar o risco de fome global ao sitiar os portos ucranianos do Mar Negro e do Mar de Azov. Moscou culpa sanções ocidentais por escassez de alimentos

Corretor turco está tentando negociar a abertura dos portos ucranianos do Mar Negro. O ministro das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, entreteve o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e disse que o acordo seria possível com o apoio da ONU aos portos por meio de novas negociações. consulte Mais informação

Os portos ucranianos podem ser abertos, mas Lavrov disse que a Ucrânia teria que desminá-los primeiro. A Ucrânia rejeitou as garantias da Rússia como “palavras vazias” e disse que os ataques russos a terras agrícolas exacerbariam a crise.

READ  Kansas contra. Pontuação UNC, takeaways: Jayhawks completa retorno histórico para vencer o NCAA Championship 2008

Vitaliy Kim, governador da região de Mykolaiv, cujos navios de guerra russos destruíram armazéns em um dos maiores terminais agrícolas da Ucrânia, disse à Reuters que Moscou está tentando assustar o mundo para que cumpra seus termos. consulte Mais informação

O Kremlin citou anteriormente o presidente russo, Vladimir Putin, dizendo que as barreiras ocidentais aos mercados de grãos russos deveriam ser removidas. consulte Mais informação

Aumentando ainda mais as apostas, o governo estabelecido pela Rússia no território ocupado de Zaporizhia, no sul da Ucrânia, disse que planeja realizar um referendo sobre a adesão à Rússia ainda este ano. E autoridades estabelecidas na Rússia na província ocidental de Kherson anunciaram planos semelhantes.

Alguns legisladores do partido Rússia Unida, no poder da Rússia, sugeriram que o Donbass se junte à Rússia. A região ainda não anunciou um referendo, mas o líder separatista da República Popular de Donetsk, Denis Bush, mudou seu governo na quarta-feira, citando a necessidade de aumentar os “processos de integração”.

A Ucrânia e seus aliados ocidentais consideram o referendo planejado nos territórios ocupados ilegal e provam que o verdadeiro motivo da Rússia é a agressão regional. consulte Mais informação

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório adicional de Tom Balmforth, Natalia Zinets, David Ljunggren e escritórios da Reuters; Escrito por Himani Sarkar, Gareth Jones e Filippa Fletcher; Edição por Michael Perry, Peter Groff, Alex Richardson e Cynthia Asterman

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.