AirPods Apple Artigos Notícias

Especialistas alertam que auriculares como os AirPods podem ser nocivos à saúde

16/03/2019

author:

Especialistas alertam que auriculares como os AirPods podem ser nocivos à saúde

Os auriculares sem fio da Maçã AirPods, foram lançados em setembro de 2016, junto do iPhone 7 que, à época, era o primeiro iPhone a vir sem a entrada de 3.5mm para auriculares.

Hoje, os AirPods são um fenómeno e podem ser vistos em larga escala ao redor do mundo. Na verdade, estima-se que até o final de 2018, a Apple terá vendido 28 milhões de unidades, superando as vendas dos próprios iPhones.

Uma petição está a pressionar a Apple e outras fabricantes de auriculares sem fio como os AirPods a manifestar-se sobre os riscos que os mesmos podem causar na saúde dos utilizadores.

O documento, que foi destinado às Nações Unidas e à Organização Mundial de Saúde (OMS) com a assinatura de 250 especialistas, questiona o uso de aparelhos wireless, em geral. Os cientistas estão cada vez mais preocupados com os possíveis riscos à saúde das tecnologias sem fio que, segundo eles, as regulamentações nacionais e internacionais “não conseguem” limitar.

Esta indagação menciona a utilização do Bluetooth (e a frequência por ele utilizada) que, na proximidade com o cérebro, pode causar efeito nocivo ao utilizador, sobretudo na possibilidade de estarem a provocar cancro, doenças neurológicas e danos causados no ADN.

Isto porque, embora o corpo científico ainda esteja incerto sobre a possibilidade ou não de dispositivos específicos causarem cancro, estudos em animais sobre o tipo de radiação por radiofrequência emitido pelos aparelhos, sugerem uma ligação com a doença.

“A minha preocupação é que os auriculares e os AirPods e a sua colocação no ouvido esteja a expor tecidos cerebrais a níveis relativamente elevados de radiações de ondas magnéticas”.

Ate ao momento, a Maçã não se manifestou e, com o possível lançamento de uma atualização do AirPods, acho difícil isto acontecer, principalmente porque os estudos foram direcionados à OMS, órgão responsável pela análise e manifestação da procedência ou não da petição.